Na rota do trópico de Capricórnio (1ª parte)

Antes de cruzarmos a fronteira com o Botsuana montamos a tenda sob o olhar atento das estrelas mais brilhantes do H.S. e certamente de alguns bichinhos marotos não fosse estarmos nós num dos melhores santuários de fauna Africana por excelência.

Na rota do Trópico de Capricórnio (2ª parte)

A Isabel, a Joana e a Ana queriam fotografálos a todos e eu, que não tenho habilitações sequer para servir de espantalho num campo de milho, não quis fazer de emplastro para não ofuscar a graciosidade das girafas e dos elefantes com a minha presença majestosa!

Moçambique de lés a lés (2ª parte)

Da Ilha de Moçambique viajamos de “chapa” (uma espécie de carrinha de 9 lugares 🚎) para Nampula. São ainda visíveis as feridas da guerra. A estrada, roída pelas minas, ainda não se recompôs. Carcaças enferrujadas e queimadas confirmam a história turbulenta!

Moçambique de lés a lés. (1ª parte)

Antes do anoitecer demos uma volta à ilha que parece não estar habituada a ver estranhos! Quando passamos saúdam-nos mas não nos dedicam muita atenção, com excepção das crianças que querem saber de onde somos.

Nadar com tubarões nas Ilhas Perhentian

Existiu um instante em que estivemos no mesmo lugar. Eu e o meu maior medo, os tubarões. Agora, esse instante passou, foi um instante eterno e coberto pela certeza de que nunca mais nos encontraremos…

Kanchanaburi

Movemos pé ante pé, com pequenas passadas, às vezes para avançar outras para recuar, só para presenciar sem qualquer objectivo a não ser esse mesmo o de presenciar e fotografar as fachadas charmosas e quase tão anacrónicas para a arquitectura moderna como as nossas pernas para estas aventuras! Fisicamente a precisar, paramos para um chá e experimentar as conhecidas massagens tailandesas. Foi a melhor tareia das nossas vidas.

Tailândia, o país dos sorrisos (1/3)

Os agitados e estreitos corredores, entre bancas e barraquinhas que expõem a sofisticada e deliciosa comida tailandesa, são um emaranhado de paralelas, perpendiculares e cruzamentos! Um delicioso e complicado labirinto onde deliberadamente nos deixamos perder…

Camboja, um país sedutor (última parte)

A costa sul sonolenta do Cambodja é contornada por praias de areia virgem à sombra de coqueiros que baloiçam ao sabor do vento, enquanto, não muito longe da costa, existem ilhas tropicais abençoadas por uma natureza luxuriosa, salpicadas por ocasionais aldeias piscatórias e circundadas pela água incrivelmente cristalina e quente como nós gostamos. Em Sihanoukville,…

Camboja, um país sedutor (2ª parte)

A cidade de Siem Reap, com cafés cosmopolitas e uma vida noturna diversificada, piscou-nos o olho, contudo serviu principalmente como trampolim para visitarmos os icónicos templos de Angkor nas proximidades.

Camboja, um país sedutor (1ª parte)

Phom Pen é caótica mas carismática. A frente ribeirinha é charmosa mas mais para dentro as artérias são empoeiradas e tem uma atmosfera dos diabos com ar um pouco selvagem!